Ser Mãe
Ser Mãe

Muitas vezes, na clínica, deparo-me com a culpabilidade de mães que sentem que não são suficientemente boas (já Eduardo Sá escreveu acerca das mães suficientemente boas), que sentem que o que fazem é sempre pouco, que possuem sentimentos contraditórios, que apesar de gostarem dos filhos, por vezes sentem que se não os tivessem tido estavam melhor, e, claro está, este pensamento gera culpabilidade.... Enfim... uma teia onde constantemente ficam presas...

Muitas vezes esquecem que ser mãe é uma relação bidimensional; só somos mães se tivermos filhos e que é no seio desta relação que a cumplicidade se vai estabelecendo e nos vamos aperfeiçoando ao papel e ao filho. Que é através deste que também aprendemos muita coisa, e que ser mãe também é errar, falhar, frustar, esgotar, desesperar...

É necessário que cada uma de nós saiba dosear esta paleta de sentimentos e não deixe que a culpabilidade entre e ameace o bem-estar, pois deprimidos vemos tudo mais difícil e complexo e a espiral do desespero cresce e lá estamos nós de volta à culpabilidade. 

Ser mãe é errar, mas também o é reconhecer que errar faz parte do papel, é frustar pois nem sempre as coisas correm como previsto, ou o cansaço faz-nos ter menos disponibilidade, mas também o é desejar, aprender, ensinar e amar. É esgotar porque as horas de sono roubadas começam a fazer-se sentir, a desregulação hormonal faz-nos sucumbir num turbilhão de emoções e a dificuldade na gestão do tempo exige-nos mais do que podemos dar, mas também o é brilhar quando finalmente conseguimos perceber que, por entre muito desespero, podemos fazer asneiras, ter dias em que nos sentimos mais próximos ou mais distantes dos nossos filhos, alturas em que achamos que não estamos preparadas para lidar com tamanha responsabilidade, altura em que queremos nada fazer para além de uma boa conversa ou leitura, longe dos ruídos infantis, que temos necessidade de deixar os nossos rebentos com familiares e amigos para também nos divertirmos sem eles, e que isto não faz de nós piores mães, pelo contrário, faz-nos sentir realizadas, animadas e para além de mães, mulheres felizes!


Tânia Paias

Psicóloga Clínica
Pós-graduada em Neuropsicologia
Mestre em Saúde Escolar
Doutoranda em Ciências Forenses
Directora do PortalBullying
Psicoterapeuta - Psicanalítica e EMDR

2014-01-04
Ver mais artigos »

Marcar consulta