Psicoterapia Cognitiva-Integrativa
Psicoterapia Cognitiva-Integrativa

Quais os seus resultados?

Segundo vários estudos conduzidos por universidades e institutos de investigação, nomeadamente o National Institute of Mental Health (NIMH) dos EUA. Psicoterapia Cognitiva mostrou eficácia em várias perturbações psicológicas, tais como depressão, perturbações de ansiedade generalizada e fobias simples. Os resultados referentes aos estudos sobre a depressão revelam que a taxa de recaída dos sintomas depressivos é menor na terapia Cognitiva que nos tratamentos farmacológicos*. Os dados recolhidos revelam que nos tratamentos farmacológicos existem 60% de recaídas e que nos tratamentos com terapia cognitiva existem apenas 30% de recaídas. (cit estudo da Universidade do Minho)

No que diz respeito aos estudos *(1) sobre o tratamento da ansiedade, eles indicam eficácia das terapias Cognitivas isoladas quer das terapias Cognitivas-Comportamentais através de processos de treino de exposição, treino de relaxamento muscular, treino de habilidades sociais e treino de focagem de atenção na tarefa.

 

Indicações para Terapia Cognitiva.

Alguns dos problemas mais frequentes com indicação para Terapia Cognitivo-comportamental são:

Porquê Terapia Cognitiva Integrativa?

Porque apesar da base teórica dos nossos técnicos ser Cognitiva todos eles acrescentaram ao seu currículo conhecimentos de outras abordagens terapêuticas para além da comportamental o que faz com a nossa abordagem cognitiva se torne mais rica e que assim possa mais facilmente ir de encontro às necessidades dos nossos pacientes.

O que é a terapia cognitiva?

A terapia cognitiva baseia-se na existência de estruturas cognitivas aprendidas ao longo do crescimento do indivíduo. O sujeito mediante uma situação, ou um estímulo cognitivo interno ou externo, irá processar essa informação de acordo com o seu sistema de crenças e produzir uma série de pensamentos automáticos que irão gerar estados emocionais.

Consideramos que os pensamentos automáticos são uma linha de pensamentos que permite efetuar uma série de atividades quotidianas de uma forma fluida, por exemplo conduzir. Perante determinados estímulos o indivíduo gera pensamentos automáticos que podem facilitar ou não a execução da tarefa. Estes pensamentos nem sempre ocorrem a um nível totalmente consciente, pelo que no início do trabalho de psicoterapia são difíceis de identificar.

Habitualmente os indivíduos vêm as emoções e as suas reações como algo linear, com uma relação causa efeito, no entanto, as crenças aprendidas têm um papel importante no processamento da situação/estímulo cognitivo determinando assim o resultado final de uma situação/estímulo. Ou seja, "os indivíduos não são afetados diretamente pelos acontecimentos, mas sim pela sua visão particular desses acontecimentos" Epitéctus.

Dentro do conceito de crenças, o modelo de intervenção cognitiva faz uma distinção entre as crenças a cerca do mundo e da sociedade, (crenças intermédias) e as crenças acerca da própria pessoa (crenças centrais). Estas crenças são ideias/"regras" aprendidas acerca do mundo, da sociedade, de como devem ser as relações e de como a pessoa acha que é, e de como se deve comportar em determinadas circunstâncias.

Partindo destas bases, a terapia funciona ao testar, corrigir e modificar primeiro, os pensamentos automáticos e seguidamente as crenças que originaram estes pensamentos.

A terapia cognitiva é portanto uma modalidade de terapia que envolve um conjunto de explicações sobre a origem e a manutenção das perturbações psíquicas e de técnicas para as modificar. Parte do pressuposto de que pensamentos e crenças não adaptativos podem influenciar as nossas emoções e os nossos comportamentos, sendo responsáveis pelo aparecimento de sintomas. A identificação das crenças não adaptativas e a sua correção por meio do raciocínio lógico e de técnicas cognitivas apropriadas podem eliminar os sintomas.

A importância das tarefas entre sessões.

Uma das características que distingue a terapia cognitiva de outras terapias, é o pressuposto que, em determinada altura do processo de psicoterapia, existem tarefas que devem ser cumpridas entre sessões. Estas tarefas são estruturadas de modo a colocar desafios ao paciente para que ele possa ganhar auto-confiança, possa compreender e identificar melhor os pensamentos automáticos e que possa colocar em prática as estratégias de regulação que foram trabalhadas em sessão.

Honorários: 45€/sessão

Veja as vantagens financeiras se for benenficiário de uma das entidades protocoladas. Ver protocolos.

Onde pode encontrar terapeutas cognitivos na Psicronos?

 

Lisboa
Almada
Cascais

Coimbra
Leiria
Setúbal

 


Marcar consulta