Exigências

Parece existir uma relação entre exigência e carência, mas essa conexão não é linear. Há muitas pessoas cujo padrão de relação com os outros se pauta pela exigência.

São exigentes consigo próprias e com os outros e alimentam-se dessa exigência. As pessoas muito exigentes tornam-se muitas vezes chatas e de difícil convívio. Escondem-se numa espécie de moralidade superior e lançam, desse ponto alto, as suas críticas e exigências. Ficam muitas vezes insatisfeitas porque por mais que os outros queiram corresponder às suas exigências acabam por falhar e a falha origina um protesto incontido. Quando exigem e a sua exigência não é atendida, sentem a dor corrosiva da carência. Protestam e protestam até se sentirem cansadas, esgotadas e depois ficam presas de um sentimento de profundo desamor e desrespeito.

Protestar é uma forma de manipulação como a sedução; a intenção é levar o outro a fazer aquilo que queremos que ele faça. Nas pessoas exigentes a agressividade é bastante forte e há um desejo de cativar o outro pela exibição de força.

Actualmente a assertividade confunde-se com exigência. Ser assertivo e ser exigente não é a mesma coisa. Ser assertivo é ser-se capaz de manter o ponto de vista e de ser honesto consigo próprio e com os outros; ser-se exigente é acharmos que o nosso ponto de vista tem mais razão de ser, é de alguma forma melhor e considerarmos que só nos sentimos bem quando somos frontalmente verdadeiros, mesmo quando essa verdade é agressiva para o outro. Sermos exigentes é acharmos que fazer concessões ou procurar plataformas de acordo denuncia uma fraqueza moral, uma fraqueza de personalidade.

Ser-se exigente é estar-se sempre a dizer “É assim” e enunciar o nosso conjunto de regras morais e condições.


Ana Almeida

Direcção Clínica
Psicóloga Clínica
Mestre em Psicologia Clínica e Psicopatologia
Psicoterapeuta Psicanalítica
Psicoterapeuta – Hipnose Clínica
Psicoterapeuta – EMDR

2014-03-10
Ver mais artigos »

Marcar consulta